quinta-feira, setembro 8

2000 jovens declaram-se dispostos a consagrar-se após a JM J2005

Aproximadamente dois mil jovens, rapazes e moças, manifestaram a sua disponibilidade em seguir a Deus na vida consagrada após a Jornada Mundial da Juventude celebrada em Colônia.
Os jovens responderam ao "chamado vocacional" em um Encontro Mundial de Jovens organizados pelo Caminho Neocatecumenal, no qual participou seu fundador, Kiko Arguello, no Parque Rheineaue de Bonn.
Noventa mil jovens, segundo a organização participaram no acto, no qual também estiveram presentes 50 bispos de numerosas nacionalidades. O encontro começou com o agradecimento do arcebispo de Colônia, o cardeal Joachim Meisner que, acompanhado de seus três bispos auxiliares, expressou que "a Igreja é jovem e isso o vimos em Colônia".
O arcebispo da diocese onde ocorreu a XX Jornada Mundial da Juventude cedeu o palco a seu sucessor nestas jornadas, o arcebispo de Sydney, o cardeal George Pell, que agradeceu aos jovens do Caminho Neocatecumenal, "o que fazem pela vida da Igreja, com missionários e seminaristas que levam a mensagem de Cristo por todo o mundo".

2 comentários:

DPJG disse...

Falar nas Jornadas Mundiais da Juventude ocorridas em Colónia, obriga a afirmar a Comunhão, a Fé, a Paz, a Festa de viver em Cristo. Os 69 jovens que partiram da diocese da Guarda rumo a Colónia marcaram, sem dúvida, as suas vidas e a vida das restantes centenas de jovens que participaram, que viveram a alegria de ser cristãos na Alemanha. O número diz muito. Mais de um milhão. Mas a experiência diz mais. No final da viagem os jovens, com as lágrimas no rosto, expressaram em muitas palavras e gestos o que haviam sido as Jornadas. Não é possível descrever o que cada um foi partilhando nas duas últimas horas de viagem. Não é possível descrever os gestos e atitudes, os valores e virtudes que surgiram nesse momento. Depois desta viagem mais força há para acreditar no futuro dos jovens e da diocese da Guarda. Podemos afirmar que, apesar de uma certa desorganização central de Colónia, tudo o resto foi para reforçar a fé e encontrar Deus e o próximo. O acolhimento em Neuss foi, numa linguagem bem nossa, cinco estrelas. A sexta foi a que nos guiou até lá. A sétima foi a estrelinha-balão que nos identificava ao longe no meio da multidão. De tal maneira foi a empatia criada entre o nosso grupo e a paróquia de acolhimento, que a Hilde, responsável da equipa de acolhimento, desabafava em email: “Your group is very kind, faithful, engaged, grateful, patient. Great. I'm well impressed. Iwish, we had more young people who believe in God.”
De facto o grupo foi uma mais valia para as Jornadas. Podemos afirmar que, mesmo que a Jornada tivesse sido “pobre” (o que não aconteceu), o grupo chegava para suprir as dificuldades e para encontrarmos aquele que íamos adorar. O espírito de grupo, que é afinal o espírito da Igreja, da fé, da comunhão, do amor, foi para o DPJG o ponto mais alto da peregrinação.
Mais informações em http//dpjg.blogspot.com
Tb podes visitar outras informações em http://jornadas2005.blogspot.com
Um abraço a todos do DPJG.

Pe Jorge disse...

Apetece-me dizer que Deus deve estar muito orgulhoso de vós...